quarta-feira, 7 de junho de 2017

STYVENSON: “SURPRESA NÃO FOI A PRISÃO, FOI ELE TER FICADO ESSE TEMPO TODO SOLTO”

Wagner Guerra - Editor
Em março do ano passado, quando surgiram rumores de que a saída do ex-comandante da Operação Lei Seca, Styvenson Valentim, 41 anos, estaria ligada a uma ‘retaliação’, por parte do ex-ministro Henrique Alves, após ter tido a CNH retida, ao negar fazer o teste no etilômetro, durante blitz na zona Sul de Natal, as redes sociais fervilharam.    Diante da manifestação de internautas indignados com a suposta perseguição do ex-parlamentar potiguar, Styvenson disse não conhecê-lo pessoalmente, mas não hesitou ao disparar – “Se ele (Henrique) quer minha cabeça, vai continuar querendo”.
Hoje, embora mais comedido, após declarações passadas que resultaram em um imbróglio com a Polícia Civil, e, consequentemente no seu afastamento das blitzens, nem por isso ele deixou de comentar a prisão do político. “Não estou surpreso com a prisão dele. Fico surpreso por ele ter ficado tanto tempo solto”.
NOJO – O descalabro em que a nação atravessa, diante do atual cenário político, pode até inspirar uns a tentar conseguir mandato para lutar por mudanças. No entanto, outros preferem nem pensar na hipótese, talvez com receio do próprio sistema ‘fritá-los’. Pelo menos é assim que pensa Styvenson.
Em maio de 2016, ele admitiu ao portal Agora RN, a possibilidade, embora remota, de entrar na vida política, na tentativa de melhorar o quadro da Segurança Pública no Estado. A reportagem rendeu inúmeros comentários. Muitos acreditavam que o capitão pudesse disputar a Prefeitura, ou pelo menos, uma cadeira na Câmara Municipal de Natal.
Hoje, Styvenson comanda a 1ª Companhia do 9°BPM, na zona Oeste de Natal. Na nova função, ele vem jogando duro contra a criminalidade nas ruas. O oficial ficou conhecido como o ‘Xerife da Lei Seca’, por ser implacável e incorruptível no cumprimento do dever.

Nenhum comentário: